30 de novembro de 2017

[Resenha] A mãe de todas as perguntas

A MÃE DE TODAS AS PERGUNTAS
Autora: Rebecca Solnit
Editora: Companhia das Letras
Ano: 2017
Páginas: 200

Livro cedido em parceria com a editora



Sinopse: Rebecca Solnit é hoje uma das principais pensadoras do feminismo contemporâneo. Autora do famoso ensaio que deu origem ao termo mansplaining, que veio revolucionar o vocabulário das discussões sobre gênero, sua obra é leitura obrigatória tanto para as pessoas mais experimentadas no tema quanto para aqueles que desejam se iniciar em um dos principais debates da sociedade atual. Em A mãe de todas as perguntas, Solnit parte das ideias centrais de maternidade e silenciamento feminino para tecer comentários indispensáveis sobre diferentes temas do feminismo: misoginia, violência contra a mulher, fragilidade masculina, o histórico recente de piadas sobre estupro e outros mais. Cristalinos e contundentes, seus ensaios devolvem ao tema toda a gravidade ele merece, sem abrir mão da poesia e do humor característicos de sua escrita.




Estou aqui hoje para falar um pouquinho de como foi a minha leitura de "A mãe de todas as perguntas", recebido em parceria com a Editora Companhia das Letras.

Começo a resenha contando a vocês que me encantei pelo título e sinopse desse livro no momento da escolha do mesmo no catálogo da editora.




Assim que chegou, iniciei a leitura e me deparei com uma escrita muito mais técnica do que estou acostumada, o que me exigiu mais concentração e estudo para realizar uma leitura realmente proveitosa.

Se trata de um livro de ensaios, algo que confesso para vocês que nunca havia lido em minha vida! 

"Em toda a violência há autoritarismo ou a sensação de se achar no direito de fazer aquilo. Dizemos que o assassino tomou a vida de outra pessoa. Tomar é se apoderar."

Através de exemplos de casos do passado e de outros atuais, a autora nos propõe diversas reflexões sobre como o machismo está arraigado em nós, homens e mulheres de todos os locais do mundo. E o pior é que nem percebemos!

Mas se engana quem pensa que se trata de um livro maçante! A leitura é deliciosa, pois parecem que gavetas se abrem, a cada página lida, na cabeça do leitor, o que proporciona não apenas rasas reflexões, mas uma verdadeira compreensão que culmina na mudança de atitudes a partir dali.

Estou acostumada a realizar leituras com a temática feminista, mas nunca nenhum livro nessa direção me tocou tão profundamente a respeito das questões de gênero, de luta pelas minorias, de despertar para uma sociedade mais justa para todos.




São muitos os exemplos citados pela autora e, claro, a revolta que os casos reais nos causa é combustível que leva a um engajamento cada vez maior na vertente feminista.

"O estuprador pode lhe dizer: 'Você não foi estuprada.', e aí, se você insistir, ele pode ameaçá-la de morte, pois matar é o jeito mais simples de ser a única voz na sala."

É muito interessante também a opinião da autora sobre os homens que se revoltam quando dizemos, por exemplo, que 'homens são estupradores em potencial' ou que 'o culpado pelo estupro é sempre e apenas o estuprador', com a justificativa de que nem todos os homens são estupradores e que estaríamos generalizando.

Segundo a autora - e eu concordo muito - nem todos os homens são estupradores, realmente, mas TODAS as mulheres, estupradas ou não, sofrem o impacto dos estupros!



Outro ponto que achei interessante foi que a autora não teve medo de abordar outros assuntos polêmicos, dentre eles o alcoolismo, o livre comércio de armas para civis e o racismo, todos com singular maestria!

"É absolutamente raro que um indivíduo armado entre numa situação caótica e, como o herói pistoleiro de um bangue-bangue, atire com precisão e eficiência, eliminando os maus e poupando os bons."

A edição está maravilhosa, com uma capa ao mesmo tempo simples e chamativa, em tons de roxo e laranja, com verniz e alto-relevo muito bem aplicados. As folhas pouco amareladas  e a fonte escolhida são confortáveis à leitura.

Não há como passar em branco por um livro como esse! Considero leitura obrigatória para as feministas e recomendo a todos os que buscam entendimento para uma sociedade melhor para as minorias em geral.


Clique aqui e adicione A mãe de todas as perguntas no Skoob.



10 comentários:

  1. Oi Karla
    Eu adoro livros que me desafiam na leitura! Que me tiram do conforto. Este parece um deles
    Adorei sua resenha e ja coloquei o livro na minha lista
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Não curto livros feministas. Apesar de curtir muito o trabalho da Chimananda... Corro as léguas desse feminismo contemporâneo. Fico feliz q tenha gostado do livro.

    Raíssa Nantes

    ResponderExcluir
  3. Não costumo ler livros com essa temática mas sua resenha me deixou bem curiosa, valeu a dica!

    ResponderExcluir
  4. Oi, Karla.
    Adorei a sua resenha e gostei muito de você dar exemplos dos temas que são abordados no livro. Dessa forma, agora posso ter certeza de que não é algo que eu queira ler!! Sou adepta do ideário feminista dos anos 50, então estou fora... Rs!!!
    Beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  5. Oi Karla!
    Não conhecia o livro e me interessei pela temática, esse ano cheguei a fazer algumas leituras de livros voltados para o tema é confesso que me surpreendi muito com as coisas abordadas, coisas do cotidiano que estão tão enraizadas em nós que nos parece comum até que alguém abra nossos olhos.

    Beijokas

    ResponderExcluir
  6. Olá,

    Não é o tipo de livro que costumo ler, mas fiquei muito interessada nessa obra, por ter essa coisa mais reflexiva e aberta sobre assuntos tão polêmicos. Gosto de histórias que me fazem pensar, ver por um ângulo diferente, espero ter a oportunidade de lê-lo.

    Beijos,
    oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi Karla, sua linda, tudo bem?
    Outro dia eu vi um programa onde a filosofa falava de como somos racistas e machistas sem saber. É que fomos ensinados a pensar de certa forma sem sequer saber sobre o que estamos pensando. Em caso de estupro, fiquei assustada quando li uma matéria em que afirmava que o maior número de juízes contra a mulher nos casos de estupro eram mulheres. Mas não era uma pesquisa brasileira, isso ocorreu em outro país. Chocante. Gosto de livros que abram debates, tragam informação e argumentos. Precisamos falar.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Fiquei muito interessada por esse livro,o que sei sobre o feminismo é básico e apoio a causa,mas nunca me aprofundei no assunto.O livro parece leitura obrigatória para quem quer entender sobre,e ainda mais por aborda mais de um tema.
    Com certeza vou adicionar na minha lista.
    bjs

    ResponderExcluir
  9. Oi!
    Não conhecia esse livro, mas nossa já quero pra ontem na minha estante.
    2017 eu comecei a ler mais livros com a temática feminista, acho super válido todas as mulheres leram mais livros que abordam o tema para entenderem direito o que é o movimento e que devemos nos unir para lutar contra todas as estatisticas que nos prensam cada vez mais.
    Enfim, vou colocar alerta de preço nesse livro, não posso deixar passar uma promoção dele

    ResponderExcluir
  10. Olá, tudo bem? Realmente não tem como um livro desse passar em branco. Instigada pelo assunto, pela capa e a com forma diferenciada de texto, acho que quero ele para ontem. Não conhecia mesmo, por isso a surpresa em me ver encantada por ele. Sua resenha está espetacular e é o que me fez ficar curiosa. Dica anotada <3
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

© Pacote Literário ♥ 2016 - Todos os direitos reservados. Personalizado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo